2 de dez de 2006

Liberalismo?

O liberalismo é facilmente confundido com:

-positivismo

-weberianismo

-conservadorismo

-fascismo

-darwinismo social

-romantismo

-democratismo

Essa confusão decorre do fato de que todas essas correntes se oporem ao comunismo. Portanto, na luta política, todas elas são aliadas contra o comunismo.

30 de nov de 2006

Mises

Tenho muitas reservas aos escritos do Mises enquanto epistemólogo e, por conseguinte, em seus estudos sobre os fundamentos do pensamento econômico. Mas esse trecho, presente no livro "Planned Chaos", é simplesmente fantástico, uma das melhores defesas do império da lei que eu já li(vale MESMO a pena ler tudo, o austríaco era uma máquina de raciocínio):

"State and government are the social apparatus of violent coercion and repression. Such an apparatus, the police power, is indispensable in order to prevent anti-social individuals and bands from destroying social co-operation. Violent prevention and suppression of anti-social activities benefit the whole of society and each of its members. But violence and oppression are none the less evils and corrupt those in charge of their application. It is necessary to restrict the power of those in office lest they become absolute despots. Society cannot exist without an apparatus of violent coercion. But neither can it exist if the office holders are irresponsible tyrants free to inflict harm upon those they dislike.

It is the social function of the laws to curb the arbitrariness of the police. The rule of law restricts the arbitrariness of the Officers as much as possible. It strictly limits their discretion, and thus assigns to the citizens a sphere in which they are free to act without being frustrated by government interference.

Freedom and liberty always mean freedom from police interference. In nature there are no such things as liberty and freedom. There is only the adamant rigidity of the laws of nature to which man must unconditionally submit if he wants to attain any ends at all. Neither was there liberty in the imaginary paradisaical conditions which, according to the fantastic prattle of many writers, preceded the establishment of societal bonds. Where there is no government, everybody is at the mercy of his stronger neighbour. Liberty can be realized only within an established state ready to prevent a gangster from killing and robbing his weaker fellows. But it is the rule of law alone which hinders the rulers from turning themselves into the worst gangsters.

The laws establish norms of legitimate action. They fix the procedures required for the repeal or alteration of existing laws and for the enactment of new laws. They likewise fix the procedures required for the application of the laws in definite cases, the due process of law. They establish courts and tribunals. Thus they are intent upon avoiding a situation in which the individuals are at the mercy of the rulers.

Mortal men are liable to error, and legislators and judges are mortal men. It may happen again and again that the valid laws or their interpretation by the courts prevent the executive organs from resorting to some measures which could be beneficial. No great harm, however, can result. If the legislators recognize the deficiency of the valid laws, they can alter them. It is certainly a bad thing that a criminal may sometimes evade punishment because there is a loophole left in the law, or because the prosecutor has neglected some formalities. But it is the minor evil when compared with the consequences of unlimited discretionary power on the part of the "benevolent" despot. (ênfase minha)

It is precisely this point which anti-social individuals fail to see. Such people condemn the formalism of the due process of law. Why should the laws hinder the government from resorting to beneficial measures? Is it not fetishism to make supreme the laws, and not expediency? They advocate the substitution of the welfare state (Wohlfahrtsstaat) for the state governed by the rule of law (Rechtsstaat). In this welfare state, paternal government should be free to accomplish all things it considers beneficial to the commonweal. No "scraps of paper" should restrain an enlightened ruler in his endeavours to promote the general welfare. All opponents must be crushed mercilessly lest they frustrate the beneficial action of the government. No empty formalities must protect them any longer against their well-deserved punishment.

It is customary to call the point of view of the advocates of the welfare state the "social" point of view as distinguished from the "individualistic" and "selfish" point of view of the champions of the rule of law. In fact, however, the supporters of the welfare state are utterly anti-social and intolerant zealots. For their ideology tacitly implies that the government will exactly execute what they themselves deem right and beneficial. They entirely disregard the possibility that there could arise disagreement with regard to the question of what is right and expedient and what is not. (ênfase minha) They advocate enlightened despotism, but they are convinced that the enlightened despot will in every detail comply with their own opinion concerning the measures to be adopted. They favour planning, but what they have in mind is exclusively their own plan, not those of other people. They want to exterminate all opponents, that is, all those who disagree with them. They are utterly intolerant and are not prepared to allow any discussion. Every advocate of the welfare state and of planning is a potential dictator. What he plans is to deprive all other men of all their rights, and to establish his own and his friends' unrestricted omnipotence. He refuses to convince his fellow-citizens. He prefers to "liquidate" them. He scorns the "bourgeois" society that worships law and legal procedure. He himself worships violence and bloodshed.

The irreconcilable conflict of these two doctrines, rule of law versus welfare state, was at issue in all the struggles which men fought for liberty. It was a long and hard evolution. Again and again the champions of absolutism triumphed. But finally the rule of law predominated in the realm of Western civilization. The rule of law, or limited government, as safeguarded by constitutions and bills of rights, is the characteristic mark of this civilization. It was the rule of law that brought about the marvelous achievements of modern capitalism and of its—as consistent Marxians should say—"superstructure," democracy. It secured for a steadily increasing population unprecedented well-being. The masses in the capitalist countries enjoy today a standard of living far above that of the well-to-do of earlier ages.

All these accomplishments have not restrained the advocates of despotism and planning. However, it would have been preposterous for the champions of totalitarianism to disclose the inextricable dictatorial consequences of their endeavours openly. In the nineteenth century the ideas of liberty and the rule of law had won such a prestige that it seemed crazy to attack them frankly. Public opinion was firmly convinced that despotism was done for and could never be restored. Was not even the Czar of barbarian Russia forced to abolish serfdom, to establish trial by jury, to grant a limited freedom to the press and to respect the laws?

Thus the socialists resorted to a trick. They continued to discuss the coming dictatorship of the proletariat, i.e., the dictatorship of each socialist author's own ideas, in their esoteric circles. But to the broad public they spoke in a different way. Socialism, they asserted, will bring true and full liberty and democracy. It will remove all kinds of compulsion and coercion. The state will "wither away." In the socialist commonwealth of the future there will be neither judges and policemen nor prisons and gallows."

29 de nov de 2006

Alguns sinais de que você não está pensando

-só faz sentido analisar uma teoria rival à sua se você admitir a possibilidade de que ela esteja correta. Se você a considera simplesmente para reconhecer o que ela possui de diferente, então...

-vai acabar equivalendo a distinção com o erro. Pois, dado que você considera a sua teoria como correta...

-tudo que se distinguir da mesma será encarado como desvio da verdade. E isso se torna mais nítido quando...

-o estilo e as referências do autor rival são mais enfatizados do que o conteúdo de seu texto. Um outro aspecto importante é perceber que...

-as críticas vagas são sempre percebidas como ignorância desse mesmo autor em relação a teorias rivais. Quando, na maioria das vezes, é apenas uma forma econômica de se referir às alternativas. O que pode levar você a concluir que...

-o seu adversário é um charlatão, que esconde de seus leitores a existência de teorias rivais que, se expostas ao público...

-mostrariam a fraqueza absoluta do seu adversário. Na verdade, a teoria dele não passa de...

-um mito. É incrível como tantas pessoas possam ser enganadas!
O nonsense do anarco-capitalismo

O problema central do anarco-capitalismo não está no fato de assumir que a sociedade preceda a criação do governo. Na verdade, esse é um ponto que considero pacífico, a saber, que o direito é ANTERIOR ao governo e que, portanto, uma sociedade sem governo é perfeitamente plausível. O meu problema com o anarco-capitalismo não é esse. Mas sim na oposição que seus defensores fazem à existência do governo em si, considerado como nada mais que um conjunto de criminosos. Pois a taxação seria um "roubo", uma violação da propriedade privada.

E qual o problema dessa tese? Bem, visto que consideram o mecanismo de mercado como suficientemente capaz de aplicar a lei, através da concorrência entre sistemas legais distintos, como explicar, então, que esse mesmo mercado não seja capaz de sufocar a existência do Estado? Ou seja, a idéia do anarco-capitalismo refuta a si mesma. Afinal, se o mercado é capaz, ou melhor, se o mercado é o ÚNICO mecanismo moral de fazer valer a lei, ele não deveria, pelo simples fato de existir, reduzir a existência do Estado a zero? Ora, a própria existência do Estado não seria uma prova de que existe uma "falha" de mercado?

A saída do anarco-capitalista é afirmar que essa regra vale para qualquer outro sistema rival. Por exemplo, os anarco-capitalistas chamam os liberais clássicos de inconsistentes, pois o tal Estado mínimo nunca conseguiu se manter em limites mínimos. Mas essa é uma argumentação muito fraca. Pois o liberal considera o liberalismo como um sistema superior aos seus concorrentes, mas admite que a sua implementação se encontra EM DISPUTA, ou seja, o fato de ser um sistema superior não significa que será NECESSARIAMENTE implementado. Toda organização social possui, portanto, um problema POLÍTICO, que nunca será resolvido, enquanto existir sociedade.

Um outro ponto crucial que o anarco-capitalismo não consegue resolver é que existe DIVERGÊNCIA entre os pensadores anarco-capitalistas. Ora, se existe divergência, torna-se impossível saber que tipo de legislação irá prevalecer num regime anarco-capitalista. E mesmo a idéia de múltiplos sistemas legais concorrentes nos remete a uma dúvida: como pessoas pertencentes a diferentes sistemas legais interagirão entre si? Além disso, a lei nos remete àquilo que é recorrente numa sociedade. Como a mesma pode ser deixada a cargo das interpretações subjetivas dos indivíduos? Como definir o que é uma defesa legítima sem um critério externo aos indivíduos que defina o que é legítimo ou não?
Uma confusão conceitual

Um dos argumentos que surgiram durante o referendo do ano passado é que, visto o Estado possuir o monopólio do uso da força, a venda de armas para particulares deveria ser proibida. Mas isso não procede, de forma alguma. O Estado, em sua definição, não possui o monopólio do uso da força. O único monopólio que o Estado possui, por definição, é o da aplicação da lei.

Outra confusão conceitual, muito comum, é que o Estado possuiria o monopólio da produção de segurança. Esse é um argumento usado pelos anarco-capitalistas, pois defendem que todo monopólio é ruim e que, portanto, o monopólio do Estado em produzir segurança também seria. Mas não existe tal monopólio! Primeiro que Estado algum proíbe a autodefesa. Segundo que o uso de câmeras, a compra de vidros blindados, a contratação de guarda-costas, todas essas ações são produções privadas de segurança. Podem existir restrições na produção da segurança, da mesma forma que elas existem quanto a outras atividades, mas é mentira que o Estado proíba a produção privada de segurança.


Setor bancário deu maior doação à campanha de Lula


SILVIO NAVARRO
FÁBIO ZANINI
da Folha de S.Paulo, em Brasília

Os bancos foram os principais financiadores da campanha de reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com doações que somam R$ 10,5 milhões, segundo a prestação de contas dos candidatos que disputaram o segundo turno da eleição presidencial, enviada à Justiça Eleitoral ontem, último dia do prazo legal.

Geraldo Alckmin (PSDB) recebeu montante idêntico, de R$ 10,5 milhões. Nos dois casos, o principal doador do ramo foi o Itaú, com R$ 3,5 milhões.

Os bancos, como o próprio Lula disse em discurso recente no qual citava os juros altos, nunca ganharam tanto. No ano passado, lucraram R$ 28,3 bilhões, recorde histórico --e só no primeiro semestre deste ano, R$ 22,2 bilhões (43% a mais do que em 2005).

Todo o montante repassado pelos bancos para o comitê de Lula foi transferido entre setembro e outubro --antes do primeiro turno. No caso de Alckmin, consta apenas um repasse feito no segundo turno, de R$ 200 mil, do Banco Alvorada, controlado pelo Bradesco.

Montante ainda maior que o dos bancos foi repassado "internamente" para a campanha de Lula. Segundo o tesoureiro da candidatura, José de Filippi Jr., cerca de R$ 15 milhões foram transferidos à campanha pelos comitês estaduais e distrital por conta do compartilhamento de material gráfico.

Alckmin também recebeu boa parte dos recursos dos comitês espalhados pelo país. No total, foram R$ 8,2 milhões oriundos de diretórios e comitês do PSDB e do PFL. Desse montante, R$ 4,2 milhões saíram dos cofres do Diretório Nacional do partido, e R$ 2,8 milhões do diretório paulista.

O segundo maior ramo de atividade que figura na contabilidade é outro com diversos interesses na relação com o governo, o das empreiteiras, com um montante de R$ 10 milhões repassados ao comitê petista, e R$ 4,8 milhões ao tucano.

A lista de doadores petistas é encabeçada pelo grupo Camargo Corrêa, com R$ 3,5 milhões, e pela Construtora OAS, com R$ 1,6 milhão. A OAS também foi uma das maiores financiadoras dos candidatos do PT à Câmara. Em um único caso, consta transferência de R$ 1 milhão da Carioca Christiani Nielsen Engenharia diretamente para o candidato, ou seja, sem passar pelo comitê. Para Alckmin, a Andrade Gutierrez disponibilizou R$ 1,5 milhão.

O presidente Lula também recolheu R$ 4,5 milhões de mineradoras --R$ 4 milhões de subsidiárias do Grupo Vale do Rio Doce. Alckmin recebeu um pouco menos: R$ 3,7 milhões.

Outros R$ 6,2 milhões declarados por Lula vieram de siderúrgicas, sendo R$ 3,1 milhões do grupo Gerdau, cujo empresário Jorge Gerdau Johanpetter é cotado para virar ministro de Lula. Gerdau também doou R$ 3 milhões para Alckmin.

A análise das empresas que abasteceram a campanha petista inclui um total de R$ 3,6 milhões repassados pelo ramo de bebidas, com destaque para a AmBev: R$ 1,5 milhão. Integram a lista as cervejarias Petropolis, com R$ 750 mil, e a Schincariol, R$ 500 mil. A Recofarma, do sistema Coca-Cola, forneceu R$ 880 mil.

A maior doação feita por uma só empresa a Lula foi da processadora de suco de laranja Cutrale, com dois repasses que somam R$ 4 milhões. A empresa trava disputa jurídica para evitar investigação por cartel --o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) recusou proposta de pagamento de multa de R$ 100 milhões para evitar a apuração. Para Alckmin, destaca-se o repasse de R$ 2,6 milhões da Ibar Administrações, do Grupo Votorantim.

A campanha de Lula recebeu pelo menos três repasses milionários de pessoas físicas. Os empresários Pedro e Alexandre Grendene (do ramo calçadista) doaram R$ 2 milhões (R$ 1 milhão cada um); Eike Batista, que atua na área de energia, transferiu R$ 1 milhão.

Alckmin recebeu doação de R$ 1 milhão de Antonio José de Almeida Carneiro, dono de uma corretora financeira.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, doou R$ 2.000, dez vezes o valor dado pela senadora Ideli Salvatti (PT-SC). O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, doou R$ 20 mil. Ricardo Berzoini, ex-chefe da campanha lulista, deu R$ 800. O presidente do Sebrae, Paulo Okamotto, que disse ter pago uma dívida de R$ 29 mil de Lula, doou R$ 400.