1 de fev de 2007

Keynesianismo

Não existe keynesianismo. Sério, isto não existe. Keynesianismo pode ser, no máximo, uma escola dentro do pensamento econômico. Mas qual o pensamento keynesiano a respeito da escolha entre ditadura e democracia? Qual a noção de justiça contida na obra de Keynes? Alguma linha sobre separação de poderes, constitucionalismo, liberdade de expressão?

Quem coloca o keynesianismo como meio termo entre socialismo e liberalismo comete um erro fatal. O socialismo possui fundamentos jurídicos, morais e políticos. Da mesma forma que o liberalismo. Inclusive há, nos Estados Unidos, quem seja neokeynesiano em teoria econômica e liberal no sentido clássico. A base filosófica do liberalismo não se destrói pela modificação dos fundamentos da teoria econômica. Por isto que Hayek gostava de dizer que um bom economista não pode ser apenas economista. O que é um resultado econômico, puro e simples? Ele não existe, pois o resultado da economia nos remete às escolhas individuais, e o indivíduo é muito mais que um agente econômico, apesar de também sê-lo.

Apontar que os mecanismos de mercado produzem um determinado efeito nada nos diz a respeito de qual ação o governo (não) deve tomar. Obviamente, o avanço da teoria econômica pode nos dizer que, pelo fato daquela ação governamental produzir efeitos distintos daqueles que concebíamos, ela (não) seja incompatível com nossos princípios jurídicos, morais e políticos. Apenas neste sentido a teoria econômica pode modificar nosso pensamento ideológico. A não ser que alguém declare como critério normativo, por exemplo, o crescimento da renda per capita. Mas esta pessoa deveria estar preparada a admitir o Sudão, que combina crescente extração de petróleo(aumento do PIB) e genocídio em Darfur(diminuição da população total), como modelo social a ser seguido. Claro, ela poderia alegar que cada país "deve buscar o seu modelo". Mas vale tudo, absolutamente tudo, para alcançar, por exemplo, o crescimento da renda per capita? Eis a questão.
trechos de "Liberalism", do economista Hayek - 1973

The service functions of government

The strict limitation of governmental powers to the enforcement of general rules of just conduct required by liberal principles refers only to the coercive powers of government. Government may render in addition, by the use of the means placed at its disposal, many services which involve no coercion except for the raising of the means by taxation; and apart perhaps from some extreme wings of the liberal movement, the desirability of government undertaking such tasks has never been denied. They were, however, in the nineteenth century still of minor and mainly traditional importance and little discussed by liberal theory which merely stressed that such services had better be left in the hands of local rather than central government. The guiding consideration was a fear that central government would become too powerful, and a hope that competition between the different local authorities would effectively control and direct the development of these services on desirable lines.

The general growth of wealth and the new aspirations whose satisfaction were made possible by it have since led to an enormous growth of those service activities, and have made necessary a much more clear‑cut attitude towards them than classical liberalism ever took. There can be no doubt that there are many such services, known to the economists as 'public goods', which are highly desirable but cannot be provided by the market mechanism, because if they arc provided they will benefit everybody and cannot be confined to those who are willing to pay for them. From the elementary tasks of the protection against crime or the prevention of the spreading of contagious diseases and other health services, to the great variety of problems which the large urban agglomerations raise most acutely, the required services can only be provided if the means to defray their costs are raised by taxation. This means that, if these services are to be provided at all, at least their finance, if not necessarily also their operation must be placed in the hands of agencies which have the power of taxation. This need not mean that government is given the exclusive right to render these services, and the liberal will wish that the possibility be left open that when ways of providing such services by private enterprise are discovered, this can be done. He will also retain the traditional preference that those services should so far as possible be provided by local rather than central authorities and be paid for by local taxation, since in this manner at least some connection between those who benefit and those who pay for a particular service will be preserved. But beyond this liberalism has developed scarcely any definite principles to guide policy in this wide field of ever increasing importance.

The failure to apply the general principles of liberalism to the new problems showed itself in the course of the development of the modern Welfare State. Though it should have been possible to achieve many of its aims within a liberal framework, this would have required a slow experimental process; yet the desire to achieve them by the most immediately effective path led everywhere to the abandonment of liberal principles. While it should have been possible, in particular, to provide most of the services of social insurance by the development of an institution for true competitive insurance, and while even a minimum income assured to all might have been created within a liberal framework, the decision to make the whole field of social insurance a government monopoly, and to turn the whole apparatus erected for that purpose into a great machinery for the redistribution of incomes, led to a progressive growth of the government controlled sector of the economy and to a steady dwindling of the part of the economy in which liberal principles still prevail.


Positive tasks of liberal legislation

Traditional liberal doctrine, however, not only failed to cope adequately with new problems, but also never developed a sufficiently clear programme for the development of a legal framework designed to preserve an effective market order. If the free enterprise system is to work beneficially, it is not sufficient that the laws satisfy the negative criteria sketched earlier. It is also necessary that their positive content be such as to make the market mechanism operate satisfactorily. This requires in particular rules which favour the preservation of competition and restrain, so far as possible, the development of monopolistic positions. These problems were somewhat neglected by nineteenth‑century liberal doctrine and were examined systematically only more recently by some of the 'neoliberal' groups.

It is probable, however, that in the field of enterprise monopoly would never have become a serious problem if government had not assisted its development by tariffs, certain features of the law of corporations and of the law of industrial patents. It is an open question whether, beyond giving the legal framework such a character that it will favour competition, specific measures to combat monopoly are necessary or desirable. If they are, the ancient common law prohibition of conspiracies in restraint of trade might have provided a foundation for such a development which, however, remained long unused. Only comparatively lately, beginning with the Sherman Act of 189o in the USA, and in Europe mostly only after the Second World War, were attempts made at a deliberate antitrust and anti‑cartel legislation which, because of the discretionary powers which they usually conferred on administrative agencies, were not wholly reconcilable with classical liberal ideals.

The field, however, in which the failure to apply liberal principles led to developments which increasingly impeded the functioning of the market order, is that of the monopoly of organized labour or of the trade unions. Classical liberalism had supported the demands of the workers for 'freedom of association', and perhaps for this reason later failed effectively to oppose the development of labour unions into institutions privileged by law to use coercion in a manner not permitted to anybody else. It is this position of the labour unions which has made the market mechanism for the determination of wages largely inoperative, and it is more than doubtful whether a market economy can be preserved if the competitive determination of prices is not also applied to wages. The question whether the market order will continue to exist or whether it will be replaced by a centrally planned economic system may well depend on whether it will prove possible in some manner to restore a competitive labour market.

The effects of these developments show themselves already in the manner in which they have influenced government action in the second main field in which it is generally believed that a functioning market order requires positive government action: the provision of a stable monetary system. While classical liberalism assumed that the gold standard provided an automatic mechanism for the regulation of the supply of money and credit which would be adequate to secure a functioning market order, the historical developments have in fact produced a credit structure which has become to a high degree dependent on the deliberate regulation by a central authority. This control, which for some time had been placed in the hands of independent central banks, has in recent times been in effect transferred to governments, largely because budgetary policy has been made one of the chief instruments of monetary control. Governments have thus become responsible for determining one of the essential conditions on which the working of the market mechanism depends.

In this position governments in all Western countries have been forced, in order to secure adequate employment at the wages driven up by trade union action, to pursue an inflationary policy which makes monetary demand rise faster than the supply of goods. They have been driven by this into an accelerating inflation which in turn they feel bound to counteract by direct controls of prices that threaten to make the market mechanism increasingly inoperative. This seems now to become the way in which, as already indicated in the historical section, the market order which is the foundation of a liberal system will be progressively destroyed.

Vantagem evolutiva das teorias contraditórias

Uma teoria contraditória possui a vantagem de poder ser refutada nos seus próprios termos. Desta forma, não é preciso questionar os pressupostos da teoria para não segui-la. A vantagem está no fato de que, mesmo a teoria se revelando falsa, ela consegue transmitir os seus conceitos-chave para o futuro. É diferente, por exemplo, de uma teoria que é coerente mas falsa. Para deixar de segui-la, é preciso ter contato com teorias rivais que a possam substituir.

Um exemplo clássico de teoria contraditória é o marxismo. Quem quer que o já tenha estudado com um pouco mais de profundidade consegue perceber a contradição das suas teses. Mesmo os pensadores marxistas indicam a fragilidade do pensamento de Marx, ao condenar com veemência o marxismo vulgar.

Mas o que se chama de marxismo vulgar não é nada mais que o próprio marxismo. Todas as tentativas de "reformular"* o marxismo sempre se utilizam de conceitos que são verdadeiros corpos estranhos na obra de Marx. Provavelmente estes pensadores, em algum momento, abandonarão o marxismo. Mas será que se tornarão livres dos conceitos marxistas?

O marxismo, enquanto ideologia, se alimenta do seu próprio fracasso.

*analisar a validade dos conceitos marxistas, em separado, é distinto de analisar o marxismo enquanto sistema coerente. O que eu defendo é justamente que o marxismo é auto-contraditório, e somente admitindo a contradição fundamental do marxismo é possível julgar a validade do seu instrumental, caso a caso. Se não se reconhece a contradição do marxismo, os seus conceitos são sempre salvos quando se faz referência a outros conceitos do próprio marxismo.

31 de jan de 2007

Karl Marx, teórico da escolha pública?

Capital Vol. III Part VII
Revenues and their Sources

Chapter 52. Classes

The owners merely of labour-power, owners of capital, and land-owners, whose respective sources of income are wages, profit and ground-rent, in other words, wage-labourers, capitalists and land-owners, constitute then three big classes of modern society based upon the capitalist mode of production.

In England, modern society is indisputably most highly and classically developed in economic structure. Nevertheless, even here the stratification of classes does not appear in its pure form. Middle and intermediate strata even here obliterate lines of demarcation everywhere (although incomparably less in rural districts than in the cities). However, this is immaterial for our analysis. We have seen that the continual tendency and law of development of the capitalist mode of production is more and more to divorce the means of production from labour, and more and more to concentrate the scattered means of production into large groups, thereby transforming labour into wage-labour and the means of production into capital. And to this tendency, on the other hand, corresponds the independent separation of landed property from capital and labour, or the transformation of all landed property into the form of landed property corresponding to the capitalist mode of production.

The first question to be answered is this: What constitutes a class? — and the reply to this follows naturally from the reply to another question, namely: What makes wage-labourers, capitalists and landlords constitute the three great social classes?

At first glance — the identity of revenues and sources of revenue. There are three great social groups whose members, the individuals forming them, live on wages, profit and ground-rent respectively, on the realisation of their labour-power, their capital, and their landed property.

However, from this standpoint, physicians and officials, e.g., would also constitute two classes, for they belong to two distinct social groups, the members of each of these groups receiving their revenue from one and the same source. The same would also be true of the infinite fragmentation of interest and rank into which the division of social labour splits labourers as well as capitalists and landlords-the latter, e.g., into owners of vineyards, farm owners, owners of forests, mine owners and owners of fisheries(itálicos meus).

[Here the manuscript breaks off.]

30 de jan de 2007

Idéias de livros

Saúde e liberdade individual: livro que discute a noção de saúde e o conceito de doença, tanto física quanto mental. Tratar a questão da saúde sob o ponto de vista da liberdade individual. Autonomia dos idosos e deficientes físicos. A questão da dependência química.

Liberdade para perder: discute a questão da perda pessoal e a tentativa de usar a lei para superá-la. Distinguir entre perdas que geram incentivos e perdas absolutas, questionando se todo acordo voluntário deve ser válido por ser voluntário(provavelmente a resposta é negativa).

A revolução marginalista: traça o tratamento da questão da utilidade pelos autores clássicos, principalmente Marx. Discute a recepção da revolução marginalista pelos grandes sociólogos, como Durkheim e Weber.O divórcio entre economia e sociologia. Perspectivas de um reencontro.



Post especulativo(com intenção de suscitar mais perguntas do que respostas)

Freqüentemente observo certos ambientalistas argumentando que a ação antrópica estaria acelerando o fim de uma grande quantidade de espécies, quebrando um pretenso equilíbrio da natureza, que seria modificado por um processo lento e gradual de adaptação dos organismos vivos, levando mais a uma reposição do que propriamente à extinção das espécies.

Eu sou bastante cético quanto a este tipo de argumentação. Se pensarmos, por exemplo, nos eventos que levaram à extinção dos dinossauros, não importa em qual teorias acreditemos, veremos que um processo criado pela própria natureza modificou um pretenso equilíbrio na biosfera, não de maneira marginal, mas de forma abrupta e violenta. Milhões de espécies foram extintas, e qualquer teoria de reposição liquidada, já que várias das possibilidades da evolução "como poderia ter sido" foram simplesmente eliminadas.

Além disso, o equilíbrio na biosfera se forma a partir das condições dadas. Ou seja, a partir do momento em que a ação humana se torna um dado, o próprio aspecto do equilíbrio na biosfera se modifica. Ao mesmo tempo que provocamos a extinção das mais variadas espécies, criamos condições que alimentam a expansão de outras.

29 de jan de 2007

Comentando os comentários

Gabiru pede para que eu explique melhor estes trechos: "progressistas e portanto anti-liberais" e "conservadores, logo liberais".

Bem, só dá para entender esta equivalência se remetermos a um trecho anterior: "a imagem do liberalismo como algo inerentemente conservador ainda não foi dissipada do imaginário popular". E não foi mesmo, inclusive entre aqueles que se pretendem partidários do liberalismo. Por isto eu coloquei que, mesmo com o fracasso do socialismo ao longo do século xx, ser progressista ainda se associa com uma posição anti-liberal, enquanto que o liberalismo seria uma postura de quem é conservador. O liberal, na verdade, só é conservador por acidente, pois se opõe a reformas que sejam contrárias aos princípios do liberalismo, e não contra qualquer reforma.

Uma rápida pesquisa pela internet revela que algumas pessoas utilizam expressões como "liberal-conservador", "liberal e conservador", "liberal na economia e conservador nos costumes". Mas liberais e conservadores são aliados casuais, não a mesma coisa. E esta aliança fazia mais sentido num contexto de guerra fria, onde as grandes ameaças à liberdade tinham origem na esquerda. Hoje, num mundo pós-muro, não me parece tão óbvio que seja a esquerda quem ameaça mais a liberdade. Até porque a crítica liberal foi usada pelos conservadores como forma de enfrentar o socialismo, mas ignorada quando esta mesma crítica abalava e questionava as posições conservadoras. O tal liberal-conservadorismo, portanto, nada mais é do que um conservadorismo que se utiliza das críticas liberais ao socialismo. Como a ameaça socialista foi praticamente varrida do mapa(apesar de teimar em não morrer em certo lugares), o liberalismo que se torna urgente precisa necessariamente criticar as bases dos seus antigos aliados.

E eu só vejo uma forma dos liberais se desprenderem da armadilha conservadora, que é recuperar a literatura liberal da época em que o grande confronto ideológico era entre conservadores e liberais, exatamente o esquecido século XIX.
Recuperar o século XIX

Quem prestou atenção nas imagens publicadas no post anterior deve ter reconhecido os indivíduos listados antes e depois do século XIX, mas deve ter tido dificuldade em reconhecer os sujeitos que viveram aquele estranho século.

Isto não ocorre por acaso. O século XIX foi, ao mesmo tempo, o mais liberal e anti-liberal de todos. Por um lado, foi o mais liberal porque as propostas do liberalismo motivaram uma série de reformas institucionais que animaram países de toda a Europa. A escravidão foi oficialmente abolida em todo o mundo, a bandeira do livre comércio atingiu seu auge, a liberdade de pensamento e comportamento foi expandida a um nível nunca antes imaginado. Mas, por outro, as ideologias anti-liberais foram alimentadas pelos resultados do liberalismo. Antes, era o liberalismo que estava em posição crítica. Agora, os resultados do liberalismo eram criticados. Reformismo e liberalismo deixaram de ser sinônimos, e o campo do progressismo e da crítica social passou a ser ocupado por pensadores de outras vertentes, dentre elas a socialista. E o mais influente deles, sem dúvida, chama-se Karl Marx.

Não avalio aqui o mérito das idéias de Marx. Mas não se pode negar que tenha sido bem sucedido em eclipsar o pensamento liberal, tranformando-o em mera apologia da, segundo ele, exploração capitalista. Se o liberalismo antes da Revolução Industrial ainda é tido como relevante e "progressista", mesmo entre os marxistas, o liberalismo no século XIX não poderia ser outra coisa que não "reacionário". E, mesmo com o fracasso dos regimes socialistas ao longo do século XX, a imagem do liberalismo como algo inerentemente conservador ainda não foi dissipada do imaginário popular. E isto serve tanto para os detratores, que se colocam como progressistas e portanto anti-liberais, quanto para os entusiastas que se consideram conservadores, logo liberais.

Mas qual a vergonha que devemos ter de pensadores como Benjamin Constant, Herbert Spencer, Lord Acton, Bastiat e Stuart Mill? Certamente não eram perfeitos, mas quem espera que eles sejam? Por que um pensador que se mostrou tão equivocado (tanto em suas idéias quanto em suas previsões) como Marx ainda é festejado como mente privilegiada, ao passo que os pensadores da linhagem liberal, que tanto foram ridicularizados pelo seu "extremismo"(nas críticas que faziam do socialismo, do intervencionismo e da democracia ilimitada), ainda provocam um certo desconforto mesmo entre seus pares ideológicos?

Recuperar o século XIX para conquistar o século XXI. Eis a tarefa dos liberais.

28 de jan de 2007