12 de mai de 2007

Piore previsão da história?

"here they are -- a baker's dozen of names, 13 men of thought who, in my judgment, will stand the test of time: Henri Bergson, John Dewey, Alfred North Whitehead, Jacques Maritain, Jean-Paul Sartre, Max Planck, Albert Einstein, Niels Bohr, Werner Heisenberg, Nicolai Lenin, John Maynard Keynes, Arnold Toynbee, Pierre Teilhard de Chardin." Mortimer J. Adler, artigo escrito em 1966, prevendo os autores do século XX que continuariam a ser relevantes em 2066.

O pior não é tanto a lista, mas a justificativa para cada indicação.

"John Maynard Keynes (1883-1946) was born in Cambridge, England, where he was also educated. He taught at the university until 1919, when he resigned to write The Economic Consequences of the Peace, a book as amazingly prophetic in its way as Tocqueville's Democracy in America. It predicted that the Treaty of Versailles would inevitably lead to a second world war. Keynes' most important work, The General Theory of Employment, Interest and Money (1936), has profoundly affected subsequent economic theory and practice. It seems to me beyond question that his influence will persist for the next hundred years and, perhaps, beyond." Mesmo os keynesianos atuais, pelo menos os intelectualmente relevantes, já descartaram grande parte do instrumental keynesiano. A figura de Keynes é mais cultivada como inspiração paradigmática do que propriamente fonte de insights.

"Arnold Joseph Toynbee (1889- ) was born in London and has been associated with its university throughout his adult life. (He was, however, schooled at Oxford.) A Study of History (in ten volumes appearing between 1934 and 1954) is probably the most controversial historical work of this century. Its qualities of scope, imagination and eloquence make it the bane of professionals and the darling of amateurs. Even if the professionals are to some extent right in their criticisms of Toynbee's scholarship, his Study of History remains, in my judgment, the greatest historical work of our time." A obra de Toynbee é um clássico erudito, da mesma forma que a obra de Will Durant. Mas nenhuma delas parece inspirar os rumos da moderna historiografia. Na verdade, me parece que os jornalistas cada vez mais ocupam a profissão do historiador, por uma questão simples: o historiador precisa alocar todo o seu estudo numa visão geral dos fatos e acontecimentos, enquanto que o jornalista aloca seu tempo no estudo de fatos e acontecimentos que permeiam a contemporaneidade. E num mundo no qual as coisas mudam cada vez mais rapidamente, a contemporaneidade parece possibilitar uma melhor leitura do que uma visão histórica de longo prazo.

"Nicolai Lenin (1870-1924) was born Vladimir Ilich Ulyanov in Simbirsk (subsequently named Ulyanovsk) and received his law degree from the University of St. Petersburg (now Leningrad). Along with Trotsky the chief moving force behind the Russian Revolution, he led a minority group which he named the majority (bolsheviki) and by this ruse, in part, gained control of the post-228 revolutionary government. He was both a man of theory and a man of action -- a far-ranging political thinker as well as a superb politician. Two or three among his many books are likely to survive even if Communism does not. If, as Khrushchev threatened, Russia buries us, then Lenin will be near the top of any list of great writers drawn up in 2066, and the books will probably be Imperialism, the Highest Stage of Capitalism (1917), The State and Revolution (1918) and "Left-Wing" Communism, an Infantile Disorder (1920)." A irrelevância de Lênin para os dias atuais nem precisa ser comentada.

"Jean-Paul Sartre (1905- ) is the enfont terrible of 20th Century philosophy. A Parisian, he was educated at the École Normale Suprieure, and published, with Albert Camus, an underground newspaper during World War Two. He refused the Nobel Prize in 1964. While not the founder of existentialism, he is the most forceful and eloquent exponent of that form of it which has rationalized the Angst, the despair and even the irrationalism so prevalent in our time. He has written many books on many subjects, philosophical, psychological, political and historical. He is the author of several memorable novels and plays, and has written penetrating criticisms of literature and of painting. His great philosophical work is probably Being and Nothingness (1943)." Sartre não é lido mais nem mesmo por aquelas pessoas que gostam de parecer inteligentes ou profundas. As razões podem ser as mais variadas possíveis, mas provavelmente a preocupação que atualmente nós temos com a saúde não combina muito bem com a idéia de sofrimento da existência que permeia e anima seus escritos.

"Jacques Maritain (1882- ) was born in Paris, was educated at the Sorbonne and taught philosophy in France and in this country for 50 years. A student of Bergson, he became a convert to Roman Catholicism and is the leading liberal apologist for that faith. He is a deeply religious philosopher who writes in the ecumenical spirit of John XXIII. While, like Santayana, he writes from the vantage point of perennial wisdom, his thought, as well as his life, is immersed in as well as engaged with the most pressing problems of our day. He was the French ambassador to the Vatican at the time the present Pope was its Secretary of State; and during those years he courageously defended the cause of the Spanish Loyalists. The books of his that I think will live as long as Catholicism remains a puissant force in the world are Art and Scholasticism (1920), The Degrees of Knowledge (1932), Freedom in the Modern World (1933), True Humanism (1934), The Rights of Man and Natural Law (1942), Education at the Crossroads (1943), Existence and the Existent (1948) and, most recently, Moral Philosophy (1960)." Maritain nunca foi muito querido pelos católicos tradicionalistas, e é execrado pela ala progressista da Igreja. Parece destinado a uma terra de ninguém.

"John Dewey (1859-1952) was a Vermonter who taught philosophy at several major universities, notably Chicago, where he established the Laboratory School, and at Columbia, with which he was associated from 1904 until his death. It is one of the supreme ironies that American education has been taken over in our time by men who conquered in Dewey's name but who failed to understand the central insights in his great and revolutionary book about education -- Democracy and Education, written in 1916. The titles of his other major contributions reveal the scope of his mind and the importance of the problems with which he grappled, in a way that engages the minds of other thinking men: The Public and Its Problems (1927), The Quest for Certainty (1929), Experience and Nature (1925), Art As Experience (1934), and Logic: the Theory of Inquiry (1938)." Os problemas tratados pro Dewey, embora importantes, são hoje melhor discutidos sob a luz da psicologia evolucionária do que por pedagogos.

"Alfred North Whitehead (1861-1947) was an Englishman who lectured on mathematics and philosophy at Cambridge University and at the University of London and became a professor of philosophy at Harvard in 1924. Learned in modern mathematics and perceptive of the philosophical significance of the revolutions that have taken place in 20th Century physics and biology, he transformed traditional conceptions to make the wisdom of the past conversant with the science of the present. His philosophical vision, compacted of insight, imagination and historical learning, is best expressed in Science and the Modern World (1925), Religion in the Making (1926), Symbolism: Its Meaning and Effect (1927), Process and Reality (1929), The Aims of Education (1929) and Adventures of Ideas (1933)." Talvez seja um dos nomes que possa passar por um resgate. A previsão de Adler, no caso, pode ser confirmada, e mesmo que não se confirme não me parece tão descabida. Penso, no entanto, que uma certa dose de sorte ocorreu nesta escolha, que poderia ter sido bastante infeliz se um dos colegas de Whitehead tivesse sido lembrado em seu lugar: Bertrand Russell.

"Henri Bergson (1859-1941) was an Irish Jew who was born in Paris and became a naturalized Frenchman. A member of the Académie francaise from 1918, he did diplomatic work during World War One and won the Nobel Prize in 1927. His greatest works were published around the turn of the century: they include Time and Free Will (1889), Matter and Memory (1896) and Creative Evolution (1907). To these we must add a book he wrote late in life -- The Two Sources of Morality and Religion (1932)." A presença de Bergson é totalmente inadequada. A filosofia analítica reformada parece abranger bem os tópicos relevantes que Bergson considerava excluídos da discussão cruamente positivista do final do século XIX e início do XX.

Não discuto a permanência do trabalho das pessoas apontadas no campo das ciências naturais.

Excluindo este campo, portanto, faço a vocês a pergunta respondida por Adler: quais são os pensadores do século XX que pemanecerão relevantes em 2066?

Ah sim. Não posso deixar de de citar o comentário ainda mais infeliz feito por Adler no início deste texto: "Of the 74 authors included in Great Books of the Western World, only three -- Leo Tolstoy, William James and Sigmund Freud -- straddle. the line that separates the past from the present century; and of these, Freud more than either Tolstoy or James is truly a 20th Century figure. I would give heavy odds that any literate person in 2066, asked to name the great books of the 20th Century, would put Freud on his list." Mais um erro, desta vez que poderia ter sido totalmente evitado, acredito.
Cientista

Um cientista não precisa saber metodologia da ciência para ser um bom cientista. Na verdade, um bom cientista é aquele que desenvolve boas teorias, ou critica de maneira eficaz as teorias correntemente aceitas.

Compreender a metodologia da ciência e, mais especificamente, o objetivo e escopo de sua área, pode contribuir para que o cientista desenvolva melhores teorias e críticas. Mas não constitui o objetivo essencial de sua prática, enquanto cientista.

A ciência não foi criação intencional de um homem ou grupo de homens em particular. A sua organização posterior foi intencional, mas ninguém planejou que a ciência surgisse. Foi preciso que o fenômeno social chamado ciência tivesse se desenvolvido para que fosse deliberadamente pensado.

Um cientista é um cego. Opera através de regras que não compreende por completo, e almeja um resultado que não pode ser conhecido a priori.

Além disso, há a questão do custo de oportunidade: uma hora de dedicação a questões de método é uma hora a menos se dedicando a questões científicas. E também as vantagens oriundas da especialização.

Claro, há cientistas que produzem mais ao adentrar em questionamentos metodológicos e de definição do campo estudado(por exemplo, Hayek). Mas isso não significa que todos os cientistas sejam igualmente dotados de capacidade para esmiuçar esse tipo de questão.

No fundo, o avanço da ciência não depende de que todos os cientistas façam aquilo que é importante para o avanço da ciência, mas sim que haja uma divisão do trabalho científico. a especialização naquilo que se faz melhor.
Para ser lido por todos

Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão
(aprovada no dia 26 de agosto de 1789, na França)


"Os representantes do Povo Francês, constituídos em Assembléia Nacional, considerando que a ignorância, o esquecimento ou o desprezo dos direitos do homem são as únicas causas dos males públicos e da corrupção dos governos, resolveram expor numa Declaração solene os direitos naturais, inalienáveis e sagrados do homem, a fim de que essa Declaração, constantemente presente a todos os membros do corpo social, lhes recorde incessantemente seus direitos e deveres; a fim de que os atos do poder legislativo e os do poder executivo, podendo ser comparados a todo instante com a finalidade de cada instituição política, sejam mais respeitados; a fim de que as reclamações dos cidadãos, baseadas daqui por diante em princípios simples e incontestáveis, redundem sempre na manutenção da constituição e na felicidade de todos.

Em conseqüência, a Assembléia Nacional reconhece e declara, em presença e sob os auspícios do Ser Supremo, os direitos seguintes do homem e do cidadão:

Artigo 1

Os homens nascem e permanecem livres e iguais nos direitos. As distinções sociais só podem ser baseadas sobre a utilidade comum.

Artigo 2

A finalidade de qualquer associação política é a conservação dos direitos naturais e imprescindíveis do homem. Estes são a liberdade, a propriedade, a segurança e a resistência à opressão.

Artigo 3

O príncipio de toda a soberania reside essencialmente na Nação. Nenhum corpo ou indivíduo pode exercer qualquer autoridade que dela declaradamente não decorra.

Artigo 4

A liberdade consiste em poder fazer tudo o que não prejudica os outros: assim, o exercício dos direitos naturais de cada homem tem como limite apenas aqueles que garantem aos demais membros da sociedade o gozo destes mesmo direitos. Estes limites são determinados somente pela Lei.

Artigo 5

A Lei tem o direito de proibir só as ações prejudiciais à sociedade. Tudo o que não é proibido pela Lei não pode ser impedido, e ninguém pode ser obrigado a fazer o que a Lei não ordena.

Artigo 6

A Lei é a expressão da vontade geral. Todos os cidadãos têm o direito de participar, pessoalmente ou através de seus representantes, da sua elaboração. Ela deve ser igual para todos, seja protegendo, seja punindo. Todos os cidadãos, sendo iguais a seus olhos, estão igualmente habilitados a todas as dignidades, lugares e empregos públicos, conforme suas capacidades e sem outra distinção além daquela virtude e dos seus talentos.

Artigo 7

Nenhum homem pode ser acusado, detido ou preso a não ser nos casos previstos pela Lei, e segundo as formas preestabelecidas. Aqueles que procuram, despacham, executam ou fazem executar ordens arbitrárias devem ser punidos; mas cada cidadão citado ou detido, em virtude da Lei, deve submeter-se imediatamente; opondo resistência, torna-se culpado.

Artigo 8

A Lei deve estabelecer somente penas escritas e evidentemente necessárias, e ninguém pode ser punido senão em virtude de uma Lei estabelecida e promulgada anteriormente ao crime, legalmente aplicada.

Artigo 9

Presumindo-se inocente todo homem, até que não tenha sido declarado culpado, sendo indispensável detê-lo, qualquer rigor desnecessário à atenção deve ser severamente reprimido pela Lei.

Artigo 10

Ninguém deve ser molestado por suas opiniões, inclusive religiosas, desde que suas manifestações não turvem a ordem pública estabelecida pela Lei.

Artigo 11

A livre comunicação de pensamentos e opiniões é um dos direitos mais precisos do homem; cada cidadão pode falar, escrever, imprimir livremente, salvo responder pelo abuso desta liberdade nos casos previstos pela Lei.

Artigo 12

A garantia dos direitos do homem e do cidadão necessita de uma força pública: esta força é instituída em benefício de todos e não para a convivência particular daqueles aos quais é confiada.

Artigo 13

Para se manter a força pública, e para as despesas de administração, é indispensável uma contribuição comum, a ser igualmente repartida entre todos os cidadãos, de acordo com as suas posses.

Artigo 14

Todos os cidadãos têm direito de apurar por eles mesmos, ou através dos seus representantes, a necessidade da contribuição pública, de aprová-la livremente, de controlar seu uso e determinar seu vulto, a distribuição, a cobrança e a duração.

Artigo 15

A sociedade tem direito de solicitar prestação de contas a cada agente público da sua administração.

Artigo 16

Toda sociedade que não assegura a garantia dos direitos, nem determina a separação dos poderes, não tem Constituição.

Artigo 17

Sendo a propriedade um direito inviolável e sagrado, ninguém poderá ser dela privado, salvo quando a necessidade pública o exigir de forma evidente, e sempre através de justa indenização.

11 de mai de 2007

O lugar do indivíduo na sociedade

O indivíduo não escolhe:

1-sua constituição genética

2-seus pais

3-sua língua materna

4-a educação que recebe durante a infância

5-os cuidados de saúde que recebe quando criança

6-sua expectativa de vida ao nascer

7-seu sexo

8-a comunidade a qual pertence

9-a época em que nasceu

10-o tempo médio para percorrer 1 unidade de distância

Pobres: mais filhos, mais drogas e mais jogos

Num post antigo, eu fiz uma provocação ao dizer que não-economistas possuem dificuldades em entender porque os pobres fazem certas escolhas, e acabam por negar qualquer racionalidade nas decisões tomadas pelos mesmos. Faço agora uma primeira apreciação da questão.

Há uma visão sobre custos que é muito crua, a saber, os custos envolvidos em se engajar numa determinada atividade. Por exemplo, ter filhos implica em destinar uma parte da renda familiar para mantê-los vivos. Mas há um custo que não é diretamente contabilizado, e chamamos estes custos de custo de oportunidade. Custo de oportunidade é tudo aquilo que você precisa abrir mão para escolher agir de uma determinada forma. Quando eu escolho usar meu tempo de lazer para ir ao cinema, existe um custo que vai além dos meros gastos que terei: uma unidade de tempo gasta para ir ao cinema é uma unidade de tempo a menos que tenho disponível para, por exemplo, estudar para uma prova.

Por que o custo de oportunidade é importante? O custo de oportunidade é importante porque, ao perder a oportunidade de fazer uma determinada coisa, eu abro mão de todos os benefícios que poderiam ser obtidos se tivesse feito aquela escolha.

Se formos analisar com cuidado, veremos que ter muitos filhos, usar uma boa parcela de sua renda consumindo drogas ou gastar seu dinheiro com jogo envolvem um grande custo de oportunidade, mas somente para aqueles cujas alternativas são relevantes e valiosas. Provavelmente ter um filho atrapalharia os estudos de uma pessoa, mas se não há perspectiva em continuar seus estudos num nível mais avançado, este custo acaba não pesando, visto que esta oportunidade é remota.

Creio que aplicando o mesmo conceito de custo de oportunidade podemos chegar a respostas aproximadas sobre as outras questões. Mas, novamente, são apenas algumas conjecturas dentre várias outras que podem ser feitas, e devem ser criticadas, principalmente através da análise de dados.
Mudança de perspectiva

Já repeti várias vezes: "a cada segundo que vivo é um segundo mais próximo da morte". No entanto, este pensamento está duplamente equivocado. Em primeiro lugar, a cada segundo que vivo minha expectativa de vida aumenta, vide os dados do IBGE. E, além disso, a cada segundo que vivo, há uma tendência para que a expectativa de vida dada a minha idade seja maior do que era quando eu tinha a idade imediatamente anterior.

Dependendo do segundo de vida, portanto, eu posso me colocar menos próximo da morte, e não mais.

10 de mai de 2007

Brancos perdem renda, e cai diferença em relação a negros


A diferença de rendimentos médios entre homens brancos e negros no Brasil caiu 32,6% entre 1995 e 2005. A redução, no entanto, não ocorreu apenas pela evolução da renda dos negros, mas, principalmente, pela queda do salário dos brancos. Essa é uma das informações que se pode observar no relatório "Igualdade no Trabalho: Enfrentando Desafios", que a Organização Internacional do Trabalho divulgou nesta quinta-feira.

No período analisado, o salário dos homens negros subiu 4,7%, passando de R$ 402 para R$ 421, em números corrigidos pela inflação. Já o dos homens brancos foi o único que caiu: 11,6%, passando de R$ 715 para R$ 632. O de mulheres brancas subiu 6% (de R$ 447 para R$ 474).

O salário de mulheres negras aumentou 41% nos dez anos analisados, a maior alta registrada pela pesquisa. Mas continua sendo o segmento com menor rendimento: R$ 316 em 2005, e R$ 223 dez anos antes.

A diferença de salário entre homens brancos e negros era de R$ 313 em 1995 e caiu para R$ 211 em 2005. Entre mulheres brancas e negras, passou de R$ 224 para R$ 158, uma queda de 29,5%.

O aumento do salário de homens negros e mulheres brancas e negras é explicado por sucessivos aumentos do salário mínimo e redução da inflação*.

O Brasil também obteve progressos em políticas destinadas a reduzir a desigualdade racial, segundo Laís Abramo, diretora da OIT no país. "Há muitos países que nem querem reconhecer a discriminação racial", disse ela.

"O gênero e a raça não são questões de minorias no Brasil. Estamos falando de uma ampla maioria da sociedade", afirmou.


*este blog não endossa a explicação via aumento do salário mínimo.

8 de mai de 2007

A sabedoria de Bryan Caplan

Originalmente publicado no blog da Britannica:

"Economists Agree?!

Economists have a bad reputation for disagreeing with each other. As Paul Samuelson once wrote, “According to legend, economists are supposed never to agree among themselves. If Parliament were to ask six economists for an opinion, seven answers would come back — two, no doubt, from the volatile Mr. Keynes!” In fact, economists’ image problem goes deeper. Even as individuals, economists have a bad reputation for failing to reach any definite conclusions; hence Harry Truman’s famous wish for a “one-handed economist” who could not say “on the one hand … on the other hand.”

Hard as it is to believe, though, neither reputation is accurate. As I show in my new book, The Myth of the Rational Voter: Why Democracies Choose Bad Policies, the best survey data indicate that economists converge on a long list of unpopular positions. Compared to the general public, economists think that markets work very well, that economic interaction with foreigners makes us better off, that saving labor is a good idea, and that the economy is doing well and getting better.

While detractors of the economics profession often attribute these contrarian views to economists’ privileged lifestyle and “right-wing” outlook, the data say otherwise. The typical economist has a high income and a lot of job security, but still sharply disagrees with equally well-off non-economists. Furthermore, despite the “right-wing” reputation, the typical economist is a moderate Democrat. He just happens to be a moderate Democrat who thinks that supply-and-demand governs prices, welcomes foreign competition, and sees the upside of downsizing.

So how did economists get their undeserved reputation? The media bear some of the blame. On any issue, journalists try their darndest to find two economists who disagree and put them on the air. But in the end, I believe that economists themselves are largely responsible for the way the public misperceives them. Even though economists know that laymen deeply misunderstand their subject, economists hate to be blunt about it. They hate to get to the point. And above all, they hate to simplify complex issues - even when the alternative is communicating nothing at all.

The upshot is that when economists get a chance to address a broader audience, they usually wimp out. Although they are convinced that free trade is wise policy, for example, economists prefer to bury that conclusion in qualifications. “What if another economist is listening, and I forget to mention the ‘terms of trade argument’?” (Don’t ask).

The result is that when economists get a chance to communicate with the public - and push policy in a better direction, their audience usually misses the point. And if you listen to enough economists, and fail to figure out what they are talking about, isn’t it natural to conclude that these “experts” can’t agree - or even make up their minds?"

Drogas: posições extremistas e moderadas

Legalizar a venda das drogas é uma posição moderada. Proibir a venda delas é uma posição extrema. Pois o que está por trás da lógica da proibição é uma visão muito crua de políticas públicas: reconhece o banimento como único mecanismo de controle possível. E uma das características do extremismo é justamente não perceber nuances.

Ao contrário do que parece num primeiro momento, a posição extremista oposta não é a legalização da venda de drogas, mas a completa permissão para a compra e venda, sem nenhum tipo de restrição quanto ao local de venda, veiculação de propagandas, ou venda para crianças.

É verdade que este posicionamento está incluído entre os posicionamentos possíveis dos defensores da legalização. Mas este é apenas UM posicionamento possível dentre vários outros que podem ser imaginados. Enquanto que, no caso do banimento, não existe nuance: a única posição possível é a extremista.

6 de mai de 2007

Livre para escolher e aprender*


*originalmente publicado no site da revista The Economist, traduzido por Alexsander da Rosa e disponível no site do P-LIB, aqui

Nova pesquisa mostra que a escolha dos pais melhora os padrões de ensino - inclusive para os que permanecem nas escolas públicas

POUCAS idéias na Educação são mais controversas que vouchers - permitir que os pais escolham educar seus filhos onde quiserem às custas dos contribuintes. Sugerida pela primeira vez em 1955 por Milton Friedman, o princípio é convincentemente simples. O Estado paga; os pais escolhem; as escolas competem; padrões melhoram; todos saem ganhando.

Simples, talvez, mas ele encontrou uma oposição previsível - e às vezes fatal - no establishment educacional. Deixar os pais escolher onde educar seus filhos é uma idéia tola; profissionais sabem o que é melhor para eles. Cooperação, não competição, é a melhor maneira de melhorar a Educação para todos. Vouchers aumentariam as desigualdades porque crianças com problemas de aprendizado seriam deixadas para trás.

Esses argumentos contrários estão, agora, sucumbindo ao peso de evidências arrasadoras. Sistemas de vouchers estão sendo usados em vários países sem efeitos nocivos à coesão social; os que usam sorteios para a distribuição de vouchers oferecem provas de que os alunos que recebem vouchers estão tendo acesso a melhor Educação do que os que não recebem.

Harry Patrinos, um economista do Banco Mundial especializado em Educação, cita um programa colombiano para ampliar o acesso ao nível médio, conhecido como PACES, uma iniciativa dos anos 90 que deu a mais de 125 mil crianças pobres vouchers valendo cerca da metade do custo de escolas particulares. Detalhe crucial: houve mais inscritos que vouchers. O programa, que escolheu as crianças por sorteio, forneceu aos pesquisadores o ambiente de "experiência perfeita", similar aos estudos remédio/placebo usados para julgar a eficácia de novos medicamentos. Os resultados subseqüentes mostraram que as crianças que receberam os vouchers tiveram 15-20% mais chance de terminar o ensino médio, 5% menos probabilidade de repetir o ano, tiveram melhores médias na escola e foram muito mais interessados em prestar exames de admissão em universidades.

Programas de vouchers em vários estados dos EUA têm funcionado de maneira similar. Greg Forster, um estatístico da Fundação Friedman, uma entidade filantrópica que defende o uso universal de vouchers, diz que houveram oito estudos similares nos EUA: sete deles mostraram resultados positivos estatisticamente relevantes para os sortudos recebedores de vouchers; o oitavo também mostrou resultados positivos mas não foi suficientemente relevante do ponto de vista estatístico.

As crianças recebendo vouchers foram melhor mesmo onde o Estado gastou menos do que teria gasto se elas tivessem sido educadas em escolas públicas tradicionais. Os sistemas americanos de vouchers tipicamente pagam às escolas privadas a metade do que o Estado gastaria com as crianças. O programa colombiano sequer tentou oferecer uma alternativa melhor ao ensino estatal; o objetivo era simplesmente aumentar os índices de alunos matriculados da forma mais rápida e barata possível.

Esses estudos são importantes porque eles abstraem o problema, removendo outras influências. Formação familiar, vizinhança e habilidades naturais podem afetar os resultados de uma criança mais do que a escola que ela freqüenta. Se as crianças que receberam os vouchers diferem das que não recebem - talvez apenas por virem do tipo de família dinâmica que se acotovela em direção ao início de qualquer fila - qualquer efeito dos vouchers pode simplesmente ser o resultado de um número de fatores. Distribuir vouchers por sorteio protege os estudos contra esse risco.

Opositores ainda argumentam que os que exercem a escolha são mais capazes e comprometidos, e ao se agruparem nas melhores escolas eles condenarão os fracos e tímidos a ficarem abandonados nas escolas ruins. Alguns citam o exemplo do Chile, onde um sistema de vouchers universal que permite às escolas cobrarem mensalidades adicionais (além do valor dos vouchers) parecem ter melhorado a educação dos mais ricos, apenas.

A maior evidência contra essas críticas vem da Suécia, onde os pais são mais livres do que em qualquer lugar do mundo. Eles podem gastar como quiserem o dinheiro que o governo aloca para educar seus filhos. Amplas reformas educacionais feitas em 1992 não apenas flexibilizaram as regras para o ensino público, permitindo aos estudantes se matricularem até em escolas de outras cidades, mas também os deixou levar seus fundos estatais (em forma de vouchers) para escolas privadas, incluindo religiosas e com fins lucrativos. As únicas restrições impostas às escolas privadas é que devem fazer suas matrículas por ordem de chegada e não podem cobrar mensalidades adicionais. A maioria dos sistemas de vouchers dos EUA impõe condições similares.

O resultado foi uma enorme variedade de opções e uma expansão sem precedentes do setor privado. Na época das reformas apenas 1% dos estudantes suecos estavam em escolas privadas; hoje 10% estão e o número de vagas em escolas privadas continua crescendo.

Anders Hultin da Kunskapsskolan, uma rede de 26 escolas suecas fundadas por um fundo de investimentos em 1999 e hoje operando com fins lucrativos, diz que suas escolas raramente precisam invocar a regra da "ordem de chegada" - a rede tem respondido ao aumento da demanda com uma expansão tão rápida que os pais ávidos por enviar seus filhos às suas escolas geralmente conseguem uma vaga. Assim o setor privado, aumentando o número de vagas disponíveis, evita a peregrinação em busca das melhores escolas no ensino público. Burocratas, ao contrário, não gostam de gastar com mais vagas em escolas populares quando há vagas em escolas ruins.

Mais evidências de que os vouchers podem melhorar os padrões para todos vêm de Caroline Hoxby, uma economista da Universidade de Harvard, que mostrou que quando as escolas públicas dos EUA têm que competir por seus alunos (com escolas privadas que aceitam vouchers), seus desempenhos melhoram. Pesquisadores suecos dizem o mesmo. Parece que os que trabalham em escolas públicas são como todo mundo: se esforçam mais quando confrontados com um pouco de competição.

Metodologia

Para uma visão não-positivista do processo científico, 3 autores são essenciais: Karl Popper, Thomas Kuhn e Paul Feyerabend.
Do primeiro, a obra máxima é "A lógica da pesquisa científica", que trata basicamente do critério da demarcação e do problema da indução; do segundo, o livro fundamental é "A estrutura das revoluções científicas", que desenvolve o conceito de paradigma no procedimento científico(sendo as revoluções científicas justamente os eventos nos quais os paradigmas são modificados); do terceiro, a confusão é iniciada com o livro "Contra o Método", uma defesa do anarquismo metodológico.